quinta-feira, 29 de dezembro de 2022

Nada isenta de peso

Nada é isento de peso

Nem esta sensação de ser elevado

Pela música da claridade

Deste pensamento que não tenho

Neste estar com saudade

Por não levar nada

Nem deixar nada para trás

Nem a impressão desta palavra

Nem a paz

Nem o futuro

Nem o passado

Nada é isento de peso

Nem um olhar imaculado

Na ponta de um espinho indefeso.

terça-feira, 20 de dezembro de 2022

De cigarro na boca

Havia homens e mulheres procurando

Sombras atrás de uma cortina

Escutando música para preencher vazios

Das palavras da canção clássica

No momento de abraçar a imortalidade

Eram abraçados pela novidade

De estarem num cantinho escuro

Que os olhares não devassassem

Com um significado mesquinho

Que não via magia na dança impossível

Nessas devoções em templos improvisados

Invocando deuses e deusas do cabelo

E da roupa perdida

Com tanta humanidade na comoção

Como estavam implorando à solidão

Por felicidade que ninguém alcança

De cigarro na boca.

sexta-feira, 16 de dezembro de 2022

Estrada

Encontrei uma estrada

Que estava perdida

Que ia de um lado para o outro

E não saía daí

E só então percebi

Por que estava abandonada

A razão de ninguém seguir aquela estrada

Era que ela não levava a nada

E eu quis que essa estrada fosse minha

Como já alguma vez pensei que era

Para um mundo que tivesse sido criado

Só para mim porque sim

E dado assim

Para que eu pudesse fantasiar

O porquê de ter sido abandonada

Antes de saber o que é ser abandonado

Um poema que fosse a resposta ao desejo

De encontrar o fim

Desse poema ainda inconsistente

Que é fundamental escrever

Que é urgente concluir

Mas como? Mas qual?

Se a estrada continua para o desconhecido

Se o poema não resolve a ânsia

E torna maior a dor

Da distância donde vim

Até ali

Por nada e sem nada

Cada vez mais sem nada

Porque encontrei

Uma estrada.

segunda-feira, 12 de dezembro de 2022

Se ao menos

Se ao menos fosse cavaleiro pela neve

Sem saber a hora nem o dia

Se ao menos fosse o passo ou a neve

Que pensamento seguiria

Sabendo apenas que a beleza morde

Como um lobo salta para as gargantas?

domingo, 4 de dezembro de 2022

Felicidade dos bichos da fruta

Dizer que me fazes tanta falta

Que muitas vezes me recolho ainda

No pomar onde me surpreendias nua

Quando andava a estudar a felicidade

Dos bichos da fruta

Sem fazer ideia de quem tu eras

Te tomava por uma depravada astuta

Destapando-se maliciosamente

De entre as videiras

Atravessando-se nos meus olhos incrédulos

Que te fixavam

Como ofegante me apressava para ti

Dizendo espera espera

Enquanto desaparecias

Furtando o sexo ao meu desejo

E eu ficava com as uvas

E o sol

Em todas as partes que tocava

Projetava a tua sombra.

 

sábado, 19 de novembro de 2022

Falar idiota

Os estranhos sentidos das coisas transformadas

Em sombras de outras coisas

Que não foram

Em barcos ancorados sobre o dorso

Que alguma vez tiveram

Quando foram nadas

Ou apenas eram

Desejadas

Estranhas ilusões

Que nos povoam realmente

E nos percorrem

Como se fossemos estradas

Que deixamos para trás

Porque não imaginamos

Que viriam sequer a existir

De uma forma que está longe

De ser a melhor possível

De alguém sentir outonos

Ou falar idiota.

 

terça-feira, 15 de novembro de 2022

Sensacional


O hábito ao que é sonante

E ensurdece

Ao que destoa e preocupa

Ao ruído esgotante

Às ladainhas e às rimas

Ao esquerdo direito

“Up” is...

Esquerdo

Como um rio murmurante

Que fica para trás

E se ouve constante

Ao que é doce

E viciante

Ao se não é

Que fosse

Comediante

À espoleta do relógio

E ao monólogo do lente

Entediante

É uma azáfama

Frustrante

E por aí adiante.

quinta-feira, 10 de novembro de 2022

O poeta é o criador das musas

Sem pretender acrescentar um chavo ao que se tem dito e escrito sobre poesia e poetas, não resisto a expender algumas notas sobre uma matéria que sempre tive no centro dos meus circunlóquios, não apenas para escapar a uma força centrípeta insuportável, mas também para não me perder em coisa nenhuma, porque, sem poesia, a função da vida é muito mecânica e, com poesia, pode ser menos satânica.
De modo que o poeta, se constrói memórias, é sem o saber e evita essa cilada que o tempo coloca no caminho de que reflete e sente o que lembra e pensa isso tudo de um modo que não é de todo inocente e ingénuo e "naïf".
O poeta desconstrói memórias, dele e dos demais, do que aconteceu fora e dentro do seu mundo, como se elas desconstruíssem os mundos, interiores e exteriores, de tal modo que ele não encontra o seu lugar, por mais que lho reservem.
O poeta é desconstruído pelas memórias, que tem, que perdeu e que não foi capaz de reconhecer, como um corpo pelo oxigénio em que arderam as suas células.
O poeta é o criador das musas que o enjeitam e julga saber disso, até certo ponto.

quinta-feira, 27 de outubro de 2022

Se o coração falasse

Esteja onde estiver

Faça o que fizer

Pense o que pensar

Diga o que disser

Tenha o que tiver

Sinta o que sentir

Está onde não estou

Estou onde não está

A pedra a ouvir

Se o coração falasse

Diria mil poemas

À tentativa de possuir

Outros mil ao sentir

A falta

Muitos mais ao engano

Que há nisso tudo

E no que falta sentir

Que nunca é de mais

Se for beleza

Por mais que confunda

A céu aberto

Até o desejo doer

Na cava profunda

Da sombra suave

De castelos de areia

Diria mil tolices

Às flores por perto

Sem fazer ideia do tempo

Sem sepultura

A voltar para trás

Aos gritos

Para fazer a vontade

Aos versos aflitos.

domingo, 23 de outubro de 2022

Emboscadas

Por onde vão sem estradas

Nem marcas de ninguém

Se houver escadas 

Para o além

Por onde vai sem música  

O deambulo sem senão

Das ninfas disfarçadas 

De mulheres de alguém

E o alvoroço que resta

Um pouco mais aquém

Por onde vão não há senão

Mundo de ninguém

E não conforta senão

A quem liberta

Não ter porta

Nem cerca.


sábado, 15 de outubro de 2022

Viver

Ai o sublime prazer de coçar

A metafísica comichão

A divagar

Com pródiga comoção

Que ora enxota a pulga

Ora exalta o cão

A elevar a imagem

Que não faz questão

Senão do valor

Da opinião esfarrapada

Sobre uma ópera interrompida

Por uma sorte avara

Que mudou a vida

E esquecer que a saudade

É a última a morrer

Que não se mata saudades

De ter sido

E de não ter sabido

Viver

Peculiares são os rios

Que tortos dançam

Na nitidez dos olhos

Avançam

Na noite alcançam

Definires 

De momentos belos

Que nos esquecem

Quando menos esperamos

Onde havia castelos

Só nós estamos.

domingo, 9 de outubro de 2022

Confesso que vivi

Confesso que vivi 

Sem pensar em preservar o que tinha

O espaço e a minha liberdade

A visão do meu mundo

Da casa grande

Das vistas largas

Onde cabiam

Quase todos os sonhos

Que havia

Da tranquilidade

Da interminável vinha

Onde nidificavam as aves

Que eu conhecia pelos nomes

Todos os sóis e chuvas

E todas as luas

Que ali me encontravam

Com a alegria e as uvas

Que não faltavam

Na paz criativa da fantasia

De falar incansavelmente

Com as coisas

E de elas falarem comigo

Como se fossem encarnações

Do maior amigo

Que era Deus

Anunciando o outono

E o inverno

E a primavera

Naquele paraíso privado

Em que havia mistérios

Sombras por todo o lado

E estrelas no firmamento

Mas tudo com tal significado

Que até a tristeza

Ali acontecia

Como concretização

De alguma profecia

De milhões de anos

Nem nos dias de nevoeiro denso

Me perdia

Porque havia no ar

Um cheiro dos lugares

Da beira rio

Ou o ladrar dos cães

À passagem das muares

Do moleiro pelos socalcos

Se a noite caísse nos becos

Sem chegar a casa

Bastava um assobio

Para ouvir os ecos

De socorro

Do mundo inteiro.

quinta-feira, 29 de setembro de 2022

Metáforas

Os que fecharam as portas

Deixaram o silêncio de fora

A vadiar como um penitente

Até que o silêncio

Tomou conta de tudo

E quando as portas se abriram com o vento

Ele saiu de dentro

E pos-se a vadiar como um rio novo

A que não se chamaria rio ainda

E talvez não venha a ser

Senão metáfora de deus.

segunda-feira, 26 de setembro de 2022

Derivas ideológicas

Vale a pena pensar no problema das derivas ideológicas e equacioná-lo no tempo, para termos uma perspectiva espácio-temporal que nos ajude a medir proporcionalidades e tentar compreender os fenómenos. 

A mim, intriga-me e instiga a minha curiosidade, por exemplo, que no extraordinário curto período de cerca de 60 anos, numa época sem TV, de analfabetismo generalizado, muito longe das comunicações do nosso tempo, o marxismo, os movimentos sindicais, as lutas e reivindicações dos trabalhadores se tenham generalizado e disseminado por toda a parte, com grande sucesso. 

E que, o muito que a esses movimentos devemos, apesar dos custos de revoluções, guerras e conflitos de todo o tipo, tenha sido tão facilmente ofuscado e ignorado numa época em que dispomos de meios sofisticadíssimos de comunicação social. 

Parece que as condições que explicam o sucesso daqueles movimentos socialistas foram sendo afastadas a tal ponto que o sucesso desses movimentos ditou que perdessem algum do seu sentido, como alguém que abandona a medicação por se sentir curado. 

Ora, estamos a assistir a um recrudescer das infecções por abrandamento de anticorpos. 

É certo que já não estamos nos alvores da revolução industrial e da exploração do proletariado e que podemos contar com um armário cheio de medicamentos e de terapias. Os próprios vírus sofreram mutações irreversíveis. 

Tudo isto exigirá que se actualizem os antídotos, uma vez que as vacinas já não produzem efeitos.

terça-feira, 20 de setembro de 2022

Elogios

Elogio a pluma

Que toca a tua face

A rapsódia de luzes

Do teu cabelo

O disfarce

No escuro dos teus olhos

Submersos acenos

Do fino traço

Da tua silhueta

Amenos

Dardos pestanejam

De estrela para planeta

Recados sem venenos

Almejam

De uma caneta

Da espessura da boca

Elogio a seda

Da tua nuca

A escorregar dos ombros

Para o dorso

Destapando íntimos contornos

Ao suave decalque

Dos dedos

Num código tátil

Que abre

Sem quaisquer medos

Algemas secretas

Túmidos fonemas

Numa excitação desenfreada

Elogio as tuas pernas

No centro da tempestade

Bonança de poemas.

terça-feira, 13 de setembro de 2022

Perfeito só Deus

Até a ideia de perfeição está longe de ser perfeita.
Deus tem de ser perfeito, porque não seria Deus se o não fosse. Mas isto é circular, é o homem a inventar a hipótese de um absoluto que devia existir.
Deus foi criado porque devia existir.
Mas, tal como a perfeição, não existe.
Faz falta? Não sei se faz e não temos outro remédio senão tentar fazer aquilo que é preciso, tanto do ponto de vista dos juízos de ciência, como dos juízos estéticos, éticos, morais e religiosos.
Aliás, e esta é uma teoria inovadora, que estou a trabalhar e a testar desde há algum tempo, o homem, quer como indivíduo, quer como pessoa individual, escolhe o melhor em todo o tipo de situação em que poderemos falar de escolha, racional, consciente, ainda que a melhor escolha não seja boa e, muitas vezes, seja má.
Parece-me plausível que a noção de perfeição tenha sido trabalhada e cultivada sistematicamente na esfera do entendimento do que sejam as virtudes e como prato forte da moral religiosa e das teologias, incluindo as pagãs.
Ao entrarmos nesse capítulo, vamos abrir a porta a um museu em que podemos entrar para aprender sempre muito, até da história dos homens que acreditaram que a perfeição é algo que já existiu, que tem vindo a degenerar sucessivamente e que até Deus não consegue, ou não quer remediar, convivendo com a imperfeição de todas as coisas, excepto dele próprio, o que parece ser insólito.
De acordo com a teoria que estou a desenvolver, tudo parece mais simples e coerente se aceitarmos que não há cultura para além da humana, que só o homem dá sentido à realidade, que nenhuma outra realidade senão o homem dá sentido ao homem e que as escolhas do homem são as melhores.
Se assim for, estamos naturalmente determinados a uma melhoria tendencial, por via dos nossos actos individuais e das deliberações sociais a que não chamaria progresso, mas efeito de vivermos sob a égide do dever-ser, no sentido em que, para o homem o ser é o que deve ser (categórico, por imperativos de verdade, de necessidade, de lógica, hipotético, nas situações em que as escolhas têm como critérios meras crenças, de ordem estética, ética, moral, política, económica...).

segunda-feira, 29 de agosto de 2022

A democracia dá muito trabalho

A democracia, enquanto conceito e prática cultural e política, tem evoluído ao longo dos séculos de um modo sempre perturbador para doutrinas, sejam liberais, socialistas, comunistas, religiosas, quer no que tange à vertente educativa e socializante destas, quer no que respeita à pretensão mais ou menos totalitária e ditatorial derivada do facto de serem monolíticas e incompatíveis entre si.
A democracia pode ser sempre mais democrática, mas o liberalismo, o socialismo, o comunismo, as religiões, não são democráticos. Diferentemente destes, a democracia não é doutrina.
A democracia é o que permite e obriga à coexistência do que, sem essa coexistência, a democracia não existia. Todos os poderes tendem a usar a democracia para a aniquilarem.
No fundo, ninguém, nenhum partido, nenhuma doutrina política, nenhuma igreja, é democrática, ou, se o são, é porque não têm outro remédio.
Apesar disso, a democracia, entre nós, e por notáveis pergaminhos nos EUA, tem sido capaz de obter as mais cínicas declarações de amor, de todos os partidos, com destaque dos partidos comunistas, que se aproveitam dela, enquanto puderem, enquanto ela o permitir.
A democracia tem estado debaixo dos ataques de todos e há cada vez mais loucos que acreditam que acabar com a democracia é uma verdadeira expressão de democracia, mas isso já é uma subversão dos termos, é pretender anular a evolução das realidades políticas e regredir para épocas anteriores às grandes conquistas da cultura.
A democracia, o estudo da democracia, devia ser uma disciplina para ser trabalhada numa perspectiva científica, como se estuda, por exemplo, o Direito do Direito.

sexta-feira, 26 de agosto de 2022

Falar de amor

Quando nos encontramos

Já tinha percebido

Que não iriamos falar de amor

Porque não sabíamos como

Senão ficarmos a olhar

As palavras não faziam falta

Não havia perspectiva

De nós próprios

Nem do que é amar

Os silêncios ancoravam

Naquele bar sem música

Sem imaginação

Sem perspectiva nenhuma

Quando estávamos a olhar

Se viessem os ensurdecedores

Com foguetes e tambores

Sairíamos daquele lugar

Em que nos encontrávamos

De mãos dadas

E só pararíamos nalgum sítio

Por alguma razão que desconhecemos.

sábado, 20 de agosto de 2022

Não há sonhos que o sejam mais

Todos temos os nossos momentos únicos

Os nossos tempos de glória divertida

Para recordar e fazer a história

Depois vêm outras experiências

Demonstrar que todos estiveram no centro

Do que vale a pena ou já não vale a pena

Recordar

E é triste perceber que não somos especiais

Porque cada um é especial à sua maneira

Com a história que ninguém sabe contar

Ou simplesmente não conta

Porque não conta

Senão para si próprio

Mas nada impede

E nada dispensa

Nem substitui

A própria narrativa da vida

Não há duas iguais

E os sonhos não se trocam por nada

Nem há sonhos que o sejam mais.

sexta-feira, 19 de agosto de 2022

A criação e a descrição dos processos criativos


Quando ficarem descritos e conhecidos e explicados os processos criativos, continuar-se-á sem saber e sem poder prever o que vai ser criado. E isto já era assim, quando no princípio era o verbo (dos processos criativos).
Até as descobertas científicas com mais repercussão nos nossos tempos, não criaram as coisas existentes mas deram-lhes uma "existência", ou representação, que elas não tinham. O que, por exemplo, Newton e Einstein descobriram, e que corporizaram nas suas teorias, não são realidades novas, não são naturezas novas. São realidades culturais novas (e nesse sentido são naturais, porque são humanas), entendimentos sobre realidades que talvez já existissem, acontecessem, funcionassem, muito antes do aparecimento do homem.
Até que ponto esses entendimentos, representações, modelos explicativos, podiam ter sido outros, ou serão substituídos por outros, é um dos aspectos mais intrigantes e fascinantes da aventura do conhecimento.
E é, no fundo, o intrigante e fascinante funcionamento da relação entre realidade, linguagem e conhecimento, ou, de como é viável falar de realidade senão pela linguagem e que conhecimento é esse.

sábado, 13 de agosto de 2022

Seca e sede

Este ano tem sido seco

Como a eternidade

Não há palavras que molhem

A palha que arde

Nem chuvas que deem de beber às fontes

Que têm sede

De verdade.

quarta-feira, 27 de julho de 2022

Inteligência A./consciência A.

A reflexão sobre o problema da consciência artificial sugere-me que ela será um desenvolvimento inevitável da inteligência artificial e que as ameaças daí derivadas talvez não tenham tanto a ver com o pressuposto pessimista de que a consciência natural esteja cada vez menos inteligente.
Estou até convicto, embora não convencido, de que a inteligência artificial, sob todas as suas formas (pelo menos as que eu suponho), veio incrementar extraordinariamente os processos de inteligibilidade e de inteligência e de consciência humanos. 
Se não no âmbito dos indivíduos, cuja capacidade para entender e pensar os problemas numerosos e crescentes pode estar condicionada por fatores que não dependem exclusivamente da sua disponibilidade física e mental para o fazer, pelo menos, no âmbito das organizações, políticas, técnicas, militares, científicas, educativas, judiciais, económicas, acredito que a consciência artificial poderá ser a chave para resolver o problema, até agora insolúvel e cada vez mais insuportável, de a humanidade estar refém de um qualquer terrorista que detenha o poder nuclear de destruir. Neste caso especialmente crítico e relevante, acredito que as decisões militares vão ser monitorizadas pela inteligência e pela consciência artificial de um modo muito mais complexo e completo do que, por exemplo, o diagnóstico de uma doença em que não é o médico que controla a máquina, mas é a máquina que controla o médico. 
Ou seja, nenhum militar e nenhuma equipa de militares achará que pode ou sabe que decisão tomar, porque isso não contará para nada, uma vez que a inteligência/consciência artificial o fará, garantidamente, com melhor sucesso. 
Para dar o exemplo da invasão da Ucrânia pela Rússia, acredito que, embora não fosse preciso inteligência/consciência artificial para chegar a essa conclusão, se Putin dispusesse dela (inevitavelmente, não seria ele a dispor dela, mas seria ela a dispor dele) nem teria pensado na invasão como uma solução para os problemas, que também seriam problemas diferentes dos dele, por via dessa inteligência artificial. E assim sucessivamente. 
Os problemas e as suas soluções serão aqueles que a IA determinar. Não vejo aqui nenhuma ameaça aos humanos, pelo contrário, a IA determinará que qualquer ameaça será um problema e, não apenas o sinaliza para que o conheçamos e tenta neutralizá-lo, como até o previne e impede os seus efeitos. A IA e a consciência artificial só têm de o ser e, se o forem, não há problema. 
Na realidade, o nosso problema, os problemas da humanidade, ao longo do tempo, é a nossa incapacidade para resolver os problemas de consciência e de inteligência. 
Cometemos erros atrás de erros, alguns deles brutais, com consequências horrendas e irreversíveis, movidos por visões completamente injustificáveis de qualquer perspetiva de uma inteligência avançada e de uma consciência que não seja vulnerável, nem suscetível a alucinações, individuais ou coletivas.

sábado, 16 de julho de 2022

Valores da literatura

A literatura, para além de outras virtudes, e não estou a pensar em defeitos (que até podem ser vistos como suas principais virtudes) é um exercício intelectual, uma actividade exigente de leitura e interpretação que cada um fará ao jeito e até onde se lhe proporcionar o gosto, a imaginação e a criatividade, sem esquecer a experiência e os conhecimentos necessários para a descodificar/produzir.
Os autores, para mim, são indissociáveis das obras. E, acima de tudo, a literatura é o paradigma da liberdade, tanto na perspectiva do autor, quanto na perspectiva do leitor.
Mas, para isso, para ser paradigma da liberdade, não pode ser uma literatura ao serviço de uma propaganda. Quero dizer com isto que literaturas há muitas e que não me interessa por aí além uma literatura militante, prefeita, ou preformatada, por mais habilidoso, criativo ou genial que seja o escritor a manusear conteúdos e formas e formatos.
Divulgadores de cartilhas ideológicas, militantes de qualquer espécie, doutrindores e pregadores talentosos capazes de nos fazerem chorar contra nossa vontade e de até nos fazerem termos vergonha disso, como se tivéssemos sido hipnotizados, não há muitos, se é que os há, mas não me seduzem.
Isso de tocar violino num serrote, pode fazer-me arrepiar e até aguar dos olhos, como me acontece nos funerais, mas não é a arte da minha vida.
Há autores de quem gosto e, independentemente das histórias e dos enredos que contam, que pouco me interessam, me transmitem visão, inteligência, humanidade dos bichos e desumanidade dos deuses, irrelevância dos anjos, bravura dos touros, integridade dos burros, coragem dos ignorantes, força dos destemidos, paixão dos simples e ingénuos, espírito guerreiro dos ofendidos, insubmissão dos maltratados, revolta dos empobrecidos, inconformismo dos caluniados, capacidade de abnegação, pela verdade, pela autenticidade, pela justiça e pelo direito, contra tudo e contra todos, sem cedências a partidos, religiões, conluios, arranjinhos e trapaças palacianas ou de alcova, que não perdoam a ninguém que seja um verme, quer ele esteja nas instâncias superiores dos intocáveis, ou não. Se fossem feras eram puras, respeitáveis como leões, ou águias, ou serpentes, que não fazem mal a uma pomba, mas são implacáveis e inclementes com eles próprios, segundo os seus critérios, ainda que só em ficção.
Quem não sonha passar num crivo destes?
Autores que ousaram, ou ousam, enfrentar os poderes, todos os tipos de poderes, seja o poder do sexo, ou do dinheiro, ou das armas, da democracia, ou da ciência, ou da religião, mesmo sem esperança de os vencerem?
Que, inclusivamente, ousaram, ou ousam, enfrentar os poderes da literatura?
Autores que foram vencidos por ela, e ainda bem?
Não só pelos poderes da literatura, mas pelos seus valores, que não cabem na frincha de nenhum mealheiro?

sexta-feira, 1 de julho de 2022

Poderá um professor ensinar mais do que aquilo que sabe?

O trabalho de um professor, a função da escola pública (não confundir com escola em sentido amplo), a função de uma universidade, a função de um educador, de uma instituição de educação, religiosa, ideológica, científica, ainda são pensadas e entendidas e gizadas segundo moldes de proficiências providenciais, ou providenciadas, ou a providenciar, assentes em pressupostos que devem servir e reproduzir, porque é preciso trabalhar muito para que tudo continue na mesma, embora isto seja uma grande ilusão, porque nada continua na mesma.
Poderá um professor ensinar mais do que aquilo que sabe?
Ou um aprendiz aprender só aquilo que o mestre lhe ensina?
Nenhum aprendiz aprende só o que o mestre lhe ensina, nem tudo o que o mestre lhe quer ensinar.
A maior parte das vezes temos aprendizes que aprendem de inúmeros mestres.
Muitas vezes aprendem com os próprios pensamentos e com a própria sombra, com o eco dos próprios erros.
A questão é então sobre o que se pode e deve potenciar num processo que é inevitável porque é natural.
A base da educação e do ensino é a ideia de que se deve socializar e integrar o indivíduo num determinado sistema social e económico, político e religioso, de modo a torná-lo funcional e proveitoso para o sistema e para si próprio, evitando que ele possa vir a ser um problema para si próprio e para o sistema.
Parte-se da ideia geral e abstracta de que há princípios e valores em que todo o indivíduo deve ser educado e que, desde que os respeite, tem toda a liberdade para agir.
Entre esses princípios e valores estão a honestidade, o trabalho, o respeito, o jogo limpo, a solidariedade e o mérito.
Mas há toda uma casta de valores que, numa cultura de exacerbação da esperteza e da inteligência na viciação do jogo, para disso tirar proveito, não propriamente indevido, mas inacessível ao comum dos mortais, não fazem parte do cardápio de aprendizagens e de práticas institucionalizadas. Ou seja, a escola, a igreja, o tribunal, a catequista, o partido, o professor, o mestre-escola, as estruturas distribuidoras do sentido do dever, cumprem a função de ensinar e educar para as regras dos jogos, ou para as leis da natureza, mas dificilmente, ou nunca, ensinam e preparam para o jogo, para os negócios, para as posições de vantagens e como tirar desforço de um golpe do adversário.
O desfasamento da escola relativamente à vida é brutal quando de um lado da corda estão os mais nutridos e desinibidos traficantes/negociantes de milhões e do outro os anémicos e anacoretas alquimistas, ou lunáticos alfarrabistas.
E não estou a dizer que estes não sejam os activos realmente importantes para os negócios daqueles.

segunda-feira, 13 de junho de 2022

Máquinas pensantes que sentem

Se em qualquer situação, seja de bem estar, de violência, de maus tratos, de ambientes e de interações inteligentes, de paz ou de guerra, de contemplação ou ascetismo, de sonho ou de paixão, o ser humano, como máquina pensante que é, como máquina que discorre e analisa e conclui sobre o que sente e, metodologicamente ou não, reverte o que pensa para a mesa da experiência, numa interação, ou controlo dos sentidos pela razão e da razão pelos sentidos, o problema da educação tem a ver sobretudo com os limites que são impostos pelo respeito devido ao educando, muito mais do que os que são devidos pelo educando ao educador. 
A responsabilidade do educador precede, em toda a linha, a do educando. 
Num primeiro momento, em que este nem sequer tem habilidades e capacidades de entendimento e de vontade e de liberdade, porque a máquina pensante humana é uma máquina biológica melindrosa e delicada, além de ser muito sensível (quanto à inteligência deixo o assunto para especialistas) está na roda viva de uma realidade que o antecede e o condiciona imenso. 
A evolução dessa máquina viva é ditada e determinada, em grande parte, por aqueles que a rodeiam e por aquilo que acontece. 
Gostar ou não das “propostas”, do “menu”, do “cardápio” de credos, disciplinas (o termo disciplina é muito interessante para estas minhas considerações gratuitas), possibilidades, expectativas, é fundamental, mas o que é decisivo é a oportunidade e a capacidade para alcançar o que, nesse horizonte de possibilidades, mais ou menos ilusórias, mais ou menos enganadoras, se deseja alcançar, sem detrimento dos motivos e das razões pelos quais se deseja.
A máquina pensante assemelha-se em tudo a um estômago triturador, cujos refluxos não dependem da vontade, por mais incómodos e indesejáveis que sejam. Mas, com ou sem refluxos, a máquina aprende sempre e aprende com tudo. 
Com ou sem educação, aprende. 
O problema está em saber o que deve aprender (se é que deve), na perspetiva da máquina, que merece todo o respeito, ainda que seja diferente de todas as outras, e na perspectiva das outras máquinas, que sabem o que lhe ensinar (se ela quiser e puder aprender, sem prejuízo daquilo que for seu desejo e sua vontade). 
Não basta ter uma mesa repleta de iguarias, é necessário apetite, vontade de comer, acto de comer e, a parte também complexa, sujeita a muitos percalços, de fazer a digestão, usar a energia e defecar.

sexta-feira, 3 de junho de 2022

Todas as ciências são ciências do homem

Há que evitar uma tentação, que é uma tendência dos processos de pensamento, de tomar a análise pelo analisado e, daí, fazer todo o tipo de inferências, ou colocar um computador a fazê-lo, ad aeternum, no éter. 

Uma sugestão, para o desafio colocado pela ideia de uma hierarquização dos conhecimentos e das ciências, é partir do princípio de que, realmente, todo o conhecimento, todo o discurso, toda a ciência, são humanos e que todas as ciências, em última instância, são tentativas de responder a questões e resolver problemas do homem. 

Neste sentido, todo o conhecimento é "antropologia" e a importância das ciências deriva do serviço ou da utilidade que elas possam ter para o homem, para a sociedade, para a humanidade. 

Neste sentido, seríamos tentados a considerar que nenhuma ciência é tão importante e relevante para o homem como o é a antropologia, ou, em geral, as ciências humanas e sociais. Continua a ser válido o brocardo antigo "conhece-te a ti mesmo" como algo cuja importância não pode ser diminuída nem substituída. 

Só que, como referimos, todas as ciências existem e concorrem para esse conhecimento, apesar de enfoques específicos de cada uma sobre a realidade. 

O nosso modo de conhecer é descontínuo e é em diferido, mas a realidade não.

sábado, 30 de abril de 2022

As democracias dão muito trabalho

As democracias dão muito trabalho, têm muitas fragilidades, demoram muito tempo e, embora sejam castradoras de bestas, até das que se arvoram em besta do apocalipse, ou em dragões demolidores, que vomitam fogo de mil maneiras ardilosas, ao mesmo tempo que abalam, com o poder das bombas, os sítios onde os humanos vivem e constroem a humanidade, nem por isso elas, as democracias, têm conseguido evitar e menos ainda impedir que as bestas, aspirantes a besta do apocalipse, se saciem de sangue até arrotarem de sadismo e isso ser uma passagem vaidosa e triunfal pelos palcos das maiores tragédias no teatro de desumanidade e ódio, que diverte as bestas e em que estas desejam transformar o mundo .
Mas as democracias, que mais de metade do mundo nunca experienciou e que quase não sobreviveram ao hitler e ao staline e outros de igual vocação, baralharam, deram cartas, jogaram dentro das regras, tiveram paciência para enfrentar os desafios e as ameaças, suportaram todas as pressões, e ganharam aos batoteiros, usurpadores sem vergonha, nem princípios, e sem moral, que apostaram tudo na violência demolidora e mortífera e na crença da sua posição dominante.
As democracias são mais fortes do que parecem. Mesmo derrotadas pela força das armas, mantêm-se invictas pela força propagadora e indomável da moral que estará sempre onde estiver um humano (que não seja uma besta candidata a besta do apocalipse).

domingo, 17 de abril de 2022

Fala o almirante

O almirante falou
Fala o almirante
Todos os cemitérios são iguais
Por mais que tentem ser originais
Por mais que tentem ser mais
Todos têm uma entrada
Sem regresso
Franqueada aos mortos
E só aos mortais
Que fazem os funerais
Os cemitérios parecem tristes
De mais
Os cemitérios não sentem
Nem dizem nada
Não têm culpa nenhuma
De serem locais
Tenebrosos
Sobretudo o mar
Com suas sombras onduladas
Ao luar
Ao vento
Onde os mochos não piam
No silêncio nocturno.

quarta-feira, 13 de abril de 2022

Aproximações à verdade XVIII

Hilário: estou a pensar no sofrimento, na função que desempenha

Amiga: só os seres vivos sofrem

Hilário: sofrer e sentir são duas funções biológicas complementares

Amiga: sentir dor, mal-estar, é indissociável de sentir bem-estar, alegria, satisfação

Hilário: viver é estar nessa tensão, nessa adaptação constante a graus e tipos de satisfação que não têm de ser dolorosos, mas que podem ser extremamente dolorosos e até insuportáveis

Amiga: o homem tem desenvolvido uma cultura de prevenção de situações em que, por exemplo, a privação de bens essenciais, de água, de alimentos, de cuidados de saúde e de protecção contra as intempéries, seriam rapidamente muito dolorosas e insuportáveis, causando imenso sofrimento

Hilário: mas não é apenas para evitar desconforto, dor ou sofrimento que a cultura produziu mecanismos de prevenção e defesa, grande parte da cultura é um acervo de atividades e de objectos e de formas de dar satisfação aos nossos desejos e vícios, ao prazer pelo prazer

Amiga: nesse caso, o desejo aparece como desconforto e, ao mesmo tempo, como antecipação da satisfação que se obteria ou obterá e, se for muito fomentado, se se tornar obsessivo, pode ser fonte de dor e de sofrimento, moral e físico

Hilário: um prazer, ou uma fonte de prazer, nessas situações transforma-se num desprazer ou numa fonte de sofrimento, como acontece nos vícios

Amiga: parece que estar vivo é um processo em que, por desconforto, mal-estar, ou sofrimento, ao buscar satisfação e ao obtê-la, o ser vivo passa para um estado temporário, relativamente breve e passageiro, de homeostasia

Hilário: se este estado não fosse passageiro, se fosse definitivo, isso corresponderia à morte, ou a um estado fantasmático de consciência sem corpo, em que as religiões do espírito acreditam, mas que ninguém sabe o que é

Amiga: um dos aspectos mais interessantes e preocupantes dessa condição dos seres vivos, em geral, e do homem em particular, é que a dor e o sofrimento têm sido instrumentalizados, ou usados como meio de dominar e de controlar e de obrigar e de sujeitar os seres vivos e os humanos

Hilário: é como se o desconforto, a dor e o sofrimento, e não apenas os desejos e as ambições e os vícios, fossem uma espécie de moeda de troca em relações humanas mercantilizadas

Amiga: mas quando se chega ao ponto de provocar dor e sofrimento e morte, em pessoas que se sentem bem, que estão em paz, porque dessa forma se pretende obrigá-las a realizar algo que elas não querem, nem devem fazer, para satisfação, por exemplo, de um objectivo político-militar-económico de um grupo, ou de uma organização, estadual, ou outra, creio que se atingiu um pico de sordidez e de imoralidade e de aberração, que excede tudo

Hilário: isso é a manipulação perversa das nossas funções biológicas, como a função do sofrimento, que referi no início.

Amiga: nada é tão odioso como a guerra

Hilário: nada é tão nobre e sublime como a guerra defensiva

Amiga: e o que dirias do contra-ataque?

sábado, 9 de abril de 2022

Aproximações à verdade XVII

Hilário: estou a pensar numa estratégia de controlo do riso
Amiga: de controlo do risco?
Hilário: ahahahah
Amiga: ahahahahahaah
Hilário: tento, todos os dias sem excepção, antes de começar a trabalhar, pensar em algo que me faça rir
Amiga: e consegues? Eu tento fazer uma pequena oração, diferente todos os dias
Hilário: quando não consigo, tomo isso como sinal de que algo não está a correr bem
Amiga: é por isso que eu faço uma oração, até é mais fácil nas dificuldades
Hilário: ahahahah
Amiga: ninguém consegue rezar e rir ao mesmo tempo
Hilário: nem chorar
Amiga: nunca tinha pensado nisso
Hilário: e ter dois pensamentos ao mesmo tempo, já experimentaste?