quinta-feira, 12 de janeiro de 2017

Idílio para uns, tragédia para outros


«Não há Verdade onde a vida e a história é idílica para uns e trágica para os outros todos. Enquanto houver quem o não perceba e respeite, continuamos na pré‑história. Na sua crueza, e injustiça, é esta a questão da humanidade. Por muito que as ideologias e as regras da civilização dita ‘global’ andem a convencer o mundo do oposto. E esta busca de verdade começa em muito a nível individual, mas só se torna eficaz quando a constelação de convicções que gera se volve em crença de uma comunidade, em paradigma, motor de adaptação e evolução.» Do prefácio do último livro de Sebastião Formosinho, "A Esperança, Utopia impossível?: da insatisfação como via do (que podemos) conhecer, e esperar, e devir", em co-autoria com J. Oliveira Branco

Como é tão difícil compreender e aceitar e praticar o que, tantas vezes, é evidente? Que regras ou forças nos impedem, ou constrangem, ou desaconselham? Em que sistemas de "persuasão"/alienação, estamos imersos, que não deixam alternativas? Por que é que as verdades, a verdade, parece ser sempre mais difícil de se "aplicar"? E estamos a viver no séc XXI, depois das luzes.
Não me refiro apenas à verdade do ser. Também a verdade do dever-ser parece chocar, em muitos aspetos, com aquela e querer anulá-la. Mas aqui, destaco o "querer", a vontade, na medida em que prescinde de tudo e se erige em último critério de todas as coisas: o indivíduo, o individualismo, o egoísmo, a loucura, o pessimismo, não carecem de outra racionalidade que não o próprio capricho, o refúgio mais enganador que as drogas...
Penso que o pessimismo é consequência do individualismo/egoísmo/capricho e que o otimismo não existe senão numa visão, sentimento, perspetiva, coletiva, social.
Aquele é autofágico, não sobrevive a si mesmo.
A promessa dos sistemas políticos de que o melhor para a sociedade se alcançaria fomentando o egoísmo/individualismo, colonizando o indivíduo, está cada vez mais longe de se cumprir, talvez porque, levado a extremos, o individualismo aniquila o próprio indivíduo, retirando-lhe sentido e sentimento social, esvaziando os valores sociais.

sexta-feira, 30 de dezembro de 2016

Produtividade


Uma coisa é a produtividade enquanto conceito, enquanto rácio entre quantidades, por exemplo, de produção física e unidade de trabalho, ou unidade de capital…ou de valor da produção e quantidade de fatores, sempre numa perspetiva do custo (preço), em cada momento. Neste caso, a produtividade depende dos valores disponíveis para cada um dos termos da relação. Estes valores são encontrados através de registos, de um determinado período, como por exemplo o PIB. 
Associar a “bondade” da produtividade, sem mais, ao crescimento económico, é algo perverso, porque este pode ser obtido à custa de sacrifícios desproporcionados…
Outra coisa é a produtividade enquanto realidade (mensurável ou não), que pode ser maior, menor ou igual, à de diferentes períodos e que, ainda assim, varia de setor para setor e de ramo para ramo… Mas, em geral, só conta com “ganhos/perdas de eficiência” empresarial, quando há ganhos/perdas de eficiência das famílias e das instituições, em múltiplos níveis e não apenas dos custos.
Em ambos os casos estamos a falar de quantidades, independentemente das qualidades e nem sequer estamos a falar de melhorias ou piorias.
Em termos de valor acrescentado, não podemos ignorar, por exemplo, que o acesso aos computadores e à internet veio revolucionar a relação dos consumidores/famílias/particulares, com os outros agentes económicos, e também o modo como resolvem inúmeros dos seus problemas de autoprodução/autoconsumo.
Infelizmente, não será para breve que os humanos deixarão de trabalhar. Digo infelizmente porque bom seria que o trabalho fosse feito por robôs e os humanos pudessem viver para a especulação, a conjetura, a investigação, as artes, o desporto, o amor, a justiça, a paz. 
Para além destes, não é fácil vislumbrar domínios em que os robôs não sejam melhores do que nós a fazer o que lhes ensinamos.

Entretanto, não é de esperar que o crescimento e a produtividade ocorram em cenários de uma concentração dos rendimentos que ultrapasse os limites críticos do consumo, abaixo dos quais aqueles não podem ocorrer. 
De resto, e considerando que existem mecanismos e sistemas de medida e controle das quantidades/tipos de riqueza e respetivas apropriações/distribuições, tudo acabará por ser apenas um problema de cálculo em busca da máxima rendibilidade possível, sim, possível, com mais ou menos robôs.



quinta-feira, 22 de dezembro de 2016

A virtude do vício e o vício da virtude


  Vamos sendo viciados. 
O vício, como antónimo de virtude, não me interessa. 
Pode-se ser viciado em virtude? Penso que sim.
O vício da virtude não deixa de ser um vício. 
Então, qual a diferença entre a virtude do vício e o vício da virtude? 

sábado, 10 de dezembro de 2016

Fins lucrativos

Os fins lucrativos...Não é que justifiquem coisa alguma, mas são a charneira do capitalismo, justificados pelo capitalismo enquanto modo de produção que tem tido uma história cujas coerências, até "há pouco", sobrelevavam as incoerências. Refiro coerências como poderia dizer lógica do jogo, ou lógica dentro de um universo. A atenção dos agentes económicos está e "não pode" deixar de estar "presa" a tudo e quase só o que é susceptível de lucro. Existe outra coisa?-pergunta o jogador.
As humanidades (direito, ordem, segurança, filosofia, educação, antropologia, história, ciência da religião, arqueologia, teoria da arte, cinema, dança, teoria musical, design, literatura, letras, filologia, etc.) estão para as outras ciências, de algum modo, no que respeita a lucros, como o campo está para o agricultor e os oceanos para o pescador.
A democracia e a plutocracia são duas faces da realidade atual, a pobre a quem é concedido sobreviver mediante vassalagem e a rica que se louva nas virtudes da pobre.

Se porventura houvesse investimento nas ciências humanas, que de longe se parecesse com o que tem sido feito nas outras ciências/tecnologias (que também são humanas, obviamente), e nem precisava de ser aproximado do que se faz, por exemplo, no futebol, acredito que todas as causas da humanidade perdidas nos últimos séculos, incluindo guerras, teriam sido ganhas no tribunal do conhecimento. Mas a cegueira ocupa o topo da hierarquia dos poderes, não por mérito de visão, mas por inerência da cupidez...e dos fins lucrativos.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Perspetivas críticas


Não vou alargar-me em considerações, mas louvo a análise que é feita com abertura de perspetivas críticas.
Todas as estratégias e metodologias para ensinar padecem do mesmo vício, qual seja o de, eficientemente, quererem "levar" o aprendiz a saber, fazer, reproduzir, determinadas matérias que lhe são alheias.
Há em tudo isso uma violência, que alguns louvam, mas que uma boa parte, preferia não ter sofrido.
Sempre (sempre) no pressuposto do interesse do próprio, submete-se o indivíduo, não apenas a uma visão (religião, ideologia, crença), mas também a uma condição inelutável de "estar sujeito".
O haver "um preço a pagar para..." já é uma situação de privilégio. Abandonada a pedagogia da palmatória e do chicote, nem por isso se deixou de recorrer a instrumentos de persuasão, de coerção e de humilhação e de castigo.
Em geral, assiste-se, hoje, a uma culpabilização da criança e do jovem, primeiro, por viverem à custa de alguém, nomeadamente dos subsídios para a sua formação (obrigatória).
É óbvia a dificuldade de lhes imputar responsabilidades pelo que quer que seja. Sê-lo-ia se fossem adultos, muito mais por o não serem.

É toda uma filosofia e uma concepção sobre a natureza do homem e os processos de socialização/aprendizagem, que subjazem ao paradigma educacional atual, que vale a pena questionar e pôr em causa.

sábado, 26 de novembro de 2016

Máquina de dinheiro


O mercado, e não apenas o mercado de trabalho, enquanto oferta e procura a determinado preço, é uma das formas possíveis de um sistema de trocas e está condicionado pelos poderes no mercado.
Seria bom que o mercado fosse um factor de justiça e de desenvolvimento e nunca o contrário. Verificamos que há muitos mercados e que uns interferem nos outros, nem sempre no bom sentido. Se os mercados fossem mercados de mercadorias propriamente ditas, de bens e serviços, já seria difícil assegurar a liberdade de mercado.
Mas como os mercados se sublimaram em "mercado" do dinheiro, sendo este o grande e indomável estruturador dos nossos tempos, o ponto de dependência, crescente, dos mercados relativamente às estruturas financeiras, subverte o sentido corrente da palavra mercado, esvaziando-a, porque um mercado de dinheiro, nem em sentido metafórico, é um mercado.
Então, vou pensar na hipótese, que me parece promissora, de o dinheiro acabar e de, nem por isso, diminuir a quantidade de bens e serviços.

sábado, 19 de novembro de 2016

Para ser científico


Sou contra  todas as tentativas de "imposição" de crenças, religiosas, científicas, filosóficas, ideológicas... Mas o que é mais corrente é isso: todos, desde os ateus aos cépticos, não param de tentar "expandir" a sua fé. 
Na ciência é a mesma diligência. E por aí fora. 
Mas eu sou contra isso, porque sou preguiçoso e não me preocupo com a sorte das pessoas após a vida. 

Preocupo-me com a sorte dos vivos, tanto daqueles que são vivos de mais como daqueles que são vivos o suficiente para viverem à custa dos menos vivos, ou dos mortos.
A minha preguiça tem a ver com isso, com a preocupação que tanta gente que me não conhece tem por mim. Eles são escritores, poetas, cientistas, papas, políticos, militares, médicos, professores, juízes, polícias, cantores, construtores de automóveis e de aviões, farmacológicas, etc., etc.. 

Habituado, como estou, desde que nasci, a ver tanta gente envolvida em "guerras" e em "pazes" por minha causa, deixei de me preocupar. Afinal, não preciso de me preocupar. 
Mas preocupo-me porque quero paz e liberdade, não quero que me forcem a ser feliz, não quero que sejam infelizes só porque eu não me vou salvar.
Enfim, a minha preguiça não vai tão longe que eu não queira dialogar. 

Então, sempre que me aparece um artista, um cientista, um "iluminado", um político...que me quer salvar, eu agradeço e peço apenas uma coisa em troca de ouvir: que me deixem falar tanto quanto os ouça. 
E marco no relógio. Para ser científico. 
Assim, eu tenho alguma certeza de estar de igual para igual.