sexta-feira, 31 de julho de 2015

Amanhã é dia




Daniel foi sempre descrente de tudo. Era como se lhe estivesse no sangue o desencanto. Ele tinha consciência de que, no fundo, ou no fim de contas, nada valia a pena mesmo que a sua alma fosse grande, mas sentia-a pequena. 
Viveu sempre rodeado de pessoas convictas, crentes e entusiásticas das causas que lhes interessavam. Ninguém, à sua volta, andava perdido, ou simplesmente desorientado. A Gina era astróloga especialista. O Antímio era ateu inveterado. A Eva era católica e o Adão era cientista, cristão. 
Daniel relacionava-se com estas pessoas, por diversas razões. Para elas, Daniel não era nada. És do Benfica? ÉS do Porto? Não. Eu quero que vocês se fodam, dizia ele. Não tendes mais nada que fazer/dizer?, perguntava ele. Não., respondiam-lhe eles. 
A vida era uma merda. 
As coisas, o mundo, a natureza, a música, o ar que respiramos, o sono… eram maravilhosos, mas as pessoas, quando entrava em certos questionamentos, eram, nas suas próprias palavras, uma merda, ou pior. E ter que trabalhar, em determinadas condições, era odioso e revoltante. 
Mas o mais odioso e revoltante era ver o que se passava entre o poder e os que não têm poder. 
Daniel não tinha poder e gostava de ter, mas nada fazia por isso, porque era descrente até do ódio, que não levava a nada. 
«Um tipo assim não devia ter nascido», comentava o Afonso Henriqueto, numa palestra promovida pela Sociedade contra a apatia, subordinada ao tema «Como distinguir os frutos do ódio e do amor?»
Daniel sonhava. 
«Se ele acreditasse, tentava realizar o seu sonho», dizia o padre Américo à irmã Francisca. 
«Mas Daniel não acredita que possa realizar o seu sonho», respondia a irmã.
Daniel sonhava com uma sociedade sem partidos políticos e sem governantes, porque estes eram os representantes daqueles que todos devemos recear. Os que têm poder são sempre uma ameaça e um perigo. A qualquer momento impõem a sua vontade. Numa sociedade desorganizada politicamente também isso aconteceria. 
Qual era então a vantagem? 
A vantagem era que numa sociedade politicamente desorganizada os que têm poder não poderiam contar ainda com o favorecimento das instituições. 



Share

sexta-feira, 3 de abril de 2015

Verdade, Realidade, Ciência


Por que não te libertas de um erro de princípio, que vicia toda a tua abordagem crítica e não crítica de qualquer problema e toda a tua reflexão sobre verdade, conhecimento, ciência, competências ou perícias, qual seja, confundires Realidade com Ciência ou, pior ainda, Verdade com Ciência? 
Pensar a Realidade e pensar Ciência são dois fenómenos diferentes. 

Pensar Verdade e pensar Realidade, também. 
Pensar Verdade e pensar Ciência, também.
Pensar Deus, até um certo ponto é equiparável a pensar como é digerida a batata frita. 
Pensar Deus pode até não ser nada de especial para pessoas como tu, do mesmo modo que pensar como é digerida a batata frita pode não fazer sequer sentido para a maioria das pessoas, ainda que cientistas. Podia até acontecer que o Homem nunca tivesse pensado em Deus e tivesse sempre pensado na batata frita. Algo existir ou deixar de existir, Deus existir ou não existir são questões de segunda ordem relativamente ao facto de o Homem ter uma incrível necessidade/vocação para a Verdade. Esta necessidade de verdade sobreleva tudo o que possa ser dito, pelo método científico, ou pelas artes, ou pelas magias, venham donde vierem as tentativas de a "dizer", quaisquer que sejam as autoridades, ou instituições. E não há forma, nem palavras, nem drogas de mascarar a verdade, porque ela tem um rosto demasiado grande e ardente e invulnerável para que isso possa acontecer. 

A ciência, na sua nobre humildade, cede-lhe em tudo, como serva fiel e incorruptível, reconhecendo-lhe um carácter racional. Mas não é só a verdade que tem um carácter racional. Tudo tem um carácter racional. 
E a ciência sabe-o como sabe que a Verdade envolve e supõe e exige uma racionalidade valorativa que tem de ser de uma ordem não material. 
É a ciência que nos diz tudo o que sabemos e tudo o que precisamos de saber acerca de um específico domínio. 
É a ciência que nos diz sobre a Divina Trindade e a Ascensão de Maria. 
Sabemos que se pode ficar famoso se se quiser, e se se souber, entrar na exegese bíblica, ou no Código Civil, ou na Constituição da República, ou na mecânica quântica… e se se “impuser” uma teoria.
Alguns pseudocientistas, não compreendendo a diferença entre os atributos e o âmbito da verdade e da ciência, dão-se por satisfeitos com esta e tomam-na simplesmente por aquela. São o parasita que não conhece o hospedeiro.
A Verdade não é uma questão de raciocínio, de ser ou não ser, de existir ou não existir. 2+2=4 não é nenhuma verdade e pode não ser um raciocínio e, quanto a ser alguma coisa, é um discurso.
A Verdade vai sendo necessária à medida que pensamos com ciência, amor, justiça, probidade, enfim, valores, virtudes.
Mas pensar com ciência, amor, justiça, probidade, enfim, valores, virtudes, é Verdade mas não é a Verdade.
Por agora, vou ficar a pensar em Deus e a Verdade. 


Share

sábado, 20 de dezembro de 2014

Hoje não foi um dia perfeito



Nunca acreditei nisso de dia perfeito, ou algo parecido. Mas hoje pensei, que me lembre, pela primeira vez, que não foi um dia perfeito.
Os meus pensamentos costumam ser triviais e práticos. Pensar, para mim, a quem todos agradecem sinceramente que não emita opiniões, só faz sentido para emitir opiniões dos outros ou ter pensamentos úteis. O que eu penso é inútil a partir do momento em que não resolve ou não ajuda a resolver um problema prático. Por exemplo, o que estou agora a pensar não é inútil porque ajuda a resolver o problema prático de saber porque é que hoje não foi um dia perfeito.
Mas como o dia ainda está a decorrer, mesmo assim, pode vir a ser inútil pensar nisso, se porventura, a última minha conclusão do dia for que hoje foi um dia perfeito.
De qualquer modo, é irrelevante qualquer conclusão que eu tire sobre isso, porque o dia não é perfeito ou imperfeito por eu o pensar ou concluir. O dia é o que é e pronto.
A questão da perfeição/imperfeição do dia não se coloca. Mas eu coloquei-a. Mas ainda não sei se é uma questão que tenha para mim um sentido qualquer, mais do que uma questão prática.
Hoje, o meu editor Sancho disse-me que já lhe têm pago muito dinheiro para não dizer nada, para não escrever nada e que ele próprio já tem publicado muitas coisas que nada dizem sendo estas as melhores. Eu comecei por rir por achar as suas palavras jocosas, mas ele permaneceu sério e reforçou a ideia de que isso pode ser uma forma superior de arte. Aqui, até eu retomei um ar de seriedade.
Valeria a pena pensar no assunto? Seria prático e útil? Sancho deu-me logo a resposta sem adivinhar o meu pensamento e sem eu sequer a ter pedido.
O meu trabalho mais importante, disse ele, não é decidir o que vou dizer, mas o que não vou dizer. E se nada disser, por exemplo, quando a minha opinião pode causar mossa ou um prejuízo, isso pode ter muito valor, dependendo das situações. Se disser, ou escrever algo, posso receber ainda mais se, mesmo assim, não disser nada que possa causar mossa ou prejuízo, vulgo falar sem dizer nada, sobre assuntos importantes.
Ora, o melhor de tudo, o que vale mesmo a pena, é publicar textos que fazem sentido e que nada dizem, sendo esta sua característica a qualidade que interessa, que os torna, não raro, primorosas obras de ciência, filosofia, religião, arte… E se o autor tiver o talento, o discernimento e a verve necessários para persuadir o leitor de que, não obstante o sentido que tudo faz e a consistência que tudo tem no seu trabalho e na sua argumentação, tudo não passa de uma ilusão, então está garantido que atingirá o maior sucesso no que à reputação de autor respeita. Eu estava ainda a pensar nas primeiras palavras e já o Sancho concluía que produzir uma obra de pensamento que não seja um embuste, ainda que involuntário, implica que ela seja capaz de se esvaziar de si mesma, ser e não ser ao mesmo tempo.

O lado prático e útil, talvez muito útil destes pensamentos é que não alteraram os dígitos da minha conta bancária e o mundo continuou a girar como é costume. É preciso muito trabalho para que as coisas não mudem. Para elas mudarem pode ser muito fácil, basta não fazer nada. 


Share

segunda-feira, 8 de dezembro de 2014

Percepção, pensamento e discurso sobre a realidade



O cérebro não nos engana, nem nós enganamos o nosso cérebro.
Como é que isso poderia ser?
Não se faça confusão entre ideia de realidade e percepção da realidade. Desde sempre o homem teve necessidade de filosofias e de religiões para "explicar" a realidade percepcionada.
É patente a diferença entre o que percepcionamos, com os sentidos, e a ideia que fazemos ou podemos fazer daquilo que percepcionamos, mas isso não significa que percepcionamos de modo errado. Pode haver distorção na percepção, por ex., por anomalia ou distúrbio dos sentidos, mas isso não é engano.
Por outro lado, depois de conhecermos a física de partículas continuamos a percepcionar a pedra, com os nossos olhos e ouvidos e mãos, como percepcionávamos antes. A tua mão percepciona igualmente os átomos da pedra, antes e depois de saberes qual é a sua estrutura atómica. O mesmo se diga quanto ao sol girar à volta da terra...
Em geral, as tuas percepções das coisas não se alteram porque se alterou o teu conhecimento acerca delas.
Nisto o cérebro funciona como tem de funcionar, ou não funciona, mas isso é outra questão.
Ser induzido em erro também ocorre com frequência, mas diria que o erro é da ordem das ideias e dos juízos e não das percepções.
Daí que também seja frequente as nossas ideias e juízos e cálculos sobre a realidade reclamarem ou exigirem percepções que não temos e que procuramos, supondo que há coisas que deviam ou devem estar lá, algures. É o que imagino que acontece muito na quântica, embora aqui, na falta de percepções diretas, se procurem deteções indiretas...
Procurei restringir o conceito de percepção ao do contacto dos sentidos com o exterior. 
O que enfatizo é que o mapeamento cerebral desse contacto, a representação mental desse contacto, o pensamento gerado, estão noutro plano do processo.
Por sua vez, tudo o que a pessoa possa exprimir, comunicar, sobre isso, já é também algo diferente.
Apesar da simplificação, ilustra a complexidade do processo de acesso à realidade.
Podemos perguntar: qual é o nosso acesso à realidade? É um acesso adequado a quê? A senti-la? A fruí-la? A compreendê-la? A conhecê-la? A explicá-la?
É que, antes de analisarmos a realidade, temos o problema do acesso à mesma e o problema da linguagem e da representação e vice-versa. Realidade não é o mesmo que noção de realidade.
Depois há a questão de quem administra a verdade sobre a verdadeira realidade.
A realidade não é um dado.

Aliás, pensando bem, a realidade disponível não é toda a realidade, mas a que resta. Se me faço entender, a realidade disponível é algo que fica no fim de um processo imenso de factos indisponíveis.


Share

sábado, 4 de outubro de 2014

A verdade vivida e o conhecimento disponível


Deus eliminou os deuses. 
Mas a realidade ainda não foi compreendida. 
Ninguém ainda conseguiu sequer explicar minimamente a realidade, nem com toda a produção científica, nem com a fé.

A facilidade com que alguns ateus aderem a frases feitas sem consistência e insustentáveis, de qualquer ponto de vista, é reveladora de uma atitude prejudicial perante o conhecimento e, especialmente, perante a religião. 
A religião não é como os ateus a pintam. Deus também não. A ciência idem. Fica-se com a sensação de que estão a fantasiar acerca de guerras dos tronos. 

O que um cientista da física, por exemplo, diz sobre Deus tem o valor que tiver, não por ele ser cientista, mas pelo significado e consistência do que afirma. 
Ainda assim, dizer que toda a realidade é uma manifestação da existência de Deus é uma posição de fé que não foi nem é posta em causa por nenhuma conclusão científica, pelo contrário, o espírito científico é essa abertura ao conhecimento exigida pelo pensamento racional. 
Só com grandes artifícios retóricos e pseudocientíficos se pode pretender encerrar a inteligência e o pensamento científico dentro das malhas do dogmatismo ateu "negador".
A fé é história, afirmadora, mobilizadora, construtiva, ativa. 

Qualquer que seja a explicação científica para o funcionamento das coisas, do universo, isso não interfere com a história, com as histórias de que somos "feitos". 
A fé convive perfeitamente com todo o tipo de perguntas e respostas sérias, válidas, acerca da realidade da própria fé. Isto é espírito científico, não pela ciência em si, mas pela realidade das coisas e pela verdade das pessoas. 
À fé não interessa o conhecimento pelo conhecimento. Interessa a verdade vivida, com o conhecimento disponível.

Inconcebivelmente, alguns pretensos cientistas dizem-se/sentem-se incomodados com o espírito científico, com a abertura da inteligência para lá do seu quintal do big-bang, da física ou da química. Chamam a essa abertura especulação ou, no caso de alguns mais arrogantes e provocadores, ficções desnecessárias. Não obstante, a vida deles é uma prova de que há mais mundo para lá do mundo da física e da química.

Share

quinta-feira, 21 de agosto de 2014

Ética, moral e religião


O problema da ética, mais do que filosófico, é prático, ou seja, é o das exigências da ética, é o da normatividade, que pode ser jurídica, meramente moral, ou religiosa. 

Dizer que as religiões são antiética não é nada ético, mas não cai na alçada jurídica, ou moral. 

Fabricar anticoncepcionais e usar anticoncepcionais, por exemplo, em condições normais, não levanta problemas éticos, morais ou jurídicos, mas levanta questões religiosas aos católicos.
Não diria questões ético-religiosas, que também ocorrem na religião, mas tão simplesmente questões religiosas. 

O católico sabe que o problema, neste caso, não está em decidir o que é bom ou mau de uma forma universal, mas em aceitar e seguir a doutrina da Igreja, cujos critérios de bom ou mau, no exemplo apresentado, não são os mesmos, tendo a ver, talvez, com virtudes cristãs que, fora da Igreja, são desvalorizadas e que, numa visão ateísta, podem não fazer sentido. 

Neste caso, o católico sabe que tem uma exigência do foro pessoal que só se torna ética na medida em que ele pertence a uma comunidade a cujos preceitos se vinculou. 

De alguma forma a ética está ligada a um dever. Perante os outros, temos deveres éticos, coercíveis, mas perante Deus os nossos deveres são íntimos e pessoais e incoercíveis.

Se há religiões que são antiéticas isso é um problema do (des)encontro de visões, concepções, entre éticas. 

Mais correcto seria, então, dizer que há éticas em conflito. 


Alguém que, ao posicionar-se do lado da ética, está a considerar que só existe uma, quiçá a dele, está a ser obviamente falacioso.

Share

quarta-feira, 13 de agosto de 2014

Democracia e plutocracia


      As democracias dos países têm muito pouco poder no (des)concerto das nações, ou por outra, perante as plutocracias sem fronteiras. 
      As democracias já têm muito pouco de democracia. Apresentam-se como "pacotes" de propostas estereotipadas de partidos que são, por sua vez, estruturados em função de um sistema eleitoral também gizado para que o sistema político-social dito democrático cumpra, não a vontade do povo, mas a função de "converter" formalmente a vontade do povo numa legitimação do sistema. 
      E assim se conciliam princípios aparentemente inconciliáveis, como o princípio da primazia do lucro (proveito pecuniário) sobre o princípio da racionalidade da exploração dos recursos, ou sobre o princípio da soberania da nação. 
      Cada vez é mais difícil aos poderes políticos estabelecerem e imporem limites aos poderes financeiros e económicos transnacionais, até porque estes se apresentam, cada vez mais, supranacionais e não conhecem fronteiras e, além disso, tendem a ser dominantes nos processos de decisão política dos Estados. 
      A voracidade desta espécie de liberalismo incontrolável é assustadora, porque domina sem se deixar "governar", nem por regras que sejam suas.

      A plutocracia, mafiosa ou não, obtém tudo sem dar garantias de nada, contrariamente ao cidadão que, mesmo para obter "nada", tem de dar garantias de tudo. Basta pensar num empréstimo bancário a um cidadão ou pequena empresa. Todas as garantias, pessoais e reais, lhe são exigidas, desde fianças a hipotecas. Mas um banco consegue obter financiamentos colossais, com dinheiros públicos (e aqui é que está o escândalo), sem dar e sem lhe serem exigidas, quaisquer garantias, como temos assistido ultimamente em Portugal.



Share