quinta-feira, 7 de abril de 2016

Rei Midas

Quanto mais observo o que tem acontecido desde a 1ª revolução industrial, mais me parecem ridículos e levianos os que se vangloriavam do "progresso". 

Em pouco mais de 2 séculos, aí temos o resultado, já não falando do que aconteceu durante esse período, de exploração humana, guerras e de destruição de recursos naturais. Esta curta era da história não tem paralelo, como galeria de horrores. 

Há sempre os que preferem ver o lado bom das coisas, e esquecer ou ignorar tristezas mas, neste caso, o balanço negativo é esmagador. 
Quando se olha ao espelho, o Homem não tem motivos para sorrir. 

A voragem dos humanos é algo de louco e assustador. 
As nossas sociedades têm de estar constantemente a destruir para produzir e construir o que, pouco depois, destroem de novo, não com o objetivo de satisfazer necessidades essenciais, mas encandeados pelo brilho do lucro. 
A humanidade transformou-se numa máquina monstruosa e imparável que engole o planeta e o defeca sobre si própria, sob a forma de lixo, tóxicos, dinheiro ou ouro. 

Nunca como hoje o mito de Midas teve tanto significado, mas, enquanto Midas pôde voltar aos campos, o Homem talvez não tenha essa possibilidade. 

quinta-feira, 31 de março de 2016

A ciência das escolhas


A ciência, enquanto tal, enquanto conhecimento, arriscaria dizer que é boa. A ignorância, arriscaria dizer que não é boa.
Mas toda a decisão, ou ação/omissão, ainda que baseada na ciência, nos coloca perante um problema de bem ou mal, bom ou mau, ou nem uma coisa nem outra.
As consequências, ou efeitos, da ação/omissão são um problema não menos importante ou crucial do que os problemas da ciência enquanto conhecimento das coisas.
Não é racional, nem é bom que se deixe o poder de decisão sobre o uso do conhecimento àqueles que detêm esse poder porque lá chegaram por qualquer via, autocrática, democrática, plutocrática...
Mas também, não é pelo facto de os cientistas o serem nas suas áreas específicas, que o sejam na "ciência das escolhas", no momento de escolher a melhor opção possível.
A ciência das escolhas é uma coisa "tramada", porque, modo geral, quando se trata de agir, por exemplo, conquistar um país, dominar uma região, toda a ciência se presta a qualquer escolha, exceto a ciência das escolhas.
Não é apenas um problema de ética. É sobretudo um problema económico (de sobrevivência da humanidade e bio-ambiental), que ultrapassa o "logos" da ética e adquire contornos da ordem do transcendente.
Não parece que possamos prescindir do contributo e da intervenção crítica muito atenta da ciência das escolhas sempre que se trate de saber o que é melhor, do leque das ações/omissões disponíveis.
E muito menos prescindir de mecanismos políticos que garantam a melhor decisão (que não poderá ser meramente política mas, tanto quanto possível, científica). E aqui já deparamos com uma imensa dificuldade.
A história é a demonstração, até à exaustão, de que o poder, nas mãos dos loucos, transforma o conhecimento num instrumento de destruição e de domínio e de que o poder, de uma ou outra forma, acaba sempre em violência mais ou menos camuflada sobre as pessoas e o ambiente e as coisas em geral.
Há que respeitar a vontade das pessoas adultas sempre que essa vontade não colida com interesses de terceiros e, se tiver que lhes ser imposta alguma restrição por razões de interesse público, que seja dada garantia de que o risco é assumido pelo Estado, que responderá por danos.
Neste aspeto, sempre salvaguardados os princípios da responsabilidade civil e os limites criminais, que têm a ver com publicidade enganosa, burla, etc...., a questão das vacinas não parece diferente de outras situações em que há intervenções na saúde.

sábado, 26 de março de 2016

O dinheiro


A questão, tantas vezes invocada para justificar a austeridade, de não haver dinheiro é uma falsa questão e é um modo cínico, ou manifesta ignorância, de justificar a privação das pessoas de bens e serviços. 
Se, por absurdo, eliminássemos todo o dinheiro, ou o colocássemos em sepultura, como se fez ao latim, deixaríamos de pensar que todos os problemas eram de falta de dinheiro. Os problemas passariam a ser eles próprios e não de dinheiro. 
O verdadeiro problema é que o dinheiro se tornou cada vez mais o grande problema.
É sabido que as pessoas não comem dinheiro nem se deslocam em cima de notas ou de moedas. 
Não dêm dinheiro às pessoas, dêm-lhes bens e serviços e fiquem com o dinheiro todo.
Se amanhã não houvesse dinheiro, o mundo não estaria mais pobre e não haveria mais famintos, nem mais doentes, nem menos fruta, ou lojas mais vazias. 
Podemos ter a certeza de que, se não houvesse dinheiro, não haveria inflação, nem deflação, nem tantas outras situações deploráveis ligadas ao capitalismo financeiro.
As imensas vantagens da fungibilidade do dinheiro (e haja em consideração o facto de este conceito estar longe de ser coincidente com o conceito de moeda) talvez saíssem muito diminuídas de uma análise sobre as, também imensas, desvantagens.
O dinheiro tem vindo a adquirir uma tal abstração que se tornou um valor e uma mercadoria e um instrumento em si mesmo, profunda e terrivelmente dissociado da dinâmica e das leis da economia dos bens e serviços.
Digamos que o facto de ser um mercado (cujo peso e relevância nas economias é assustadoramente crescente e incontrolável) à parte dos mercados de trabalho, mercadorias e serviços, exige que se compreenda, sem ilusões, de que é que se está a falar quando se fala de dinheiro.
Fazem falta Newtons e Einsteins nas ciências económicas para nos ensinarem imensas coisas que é preciso saber. 
No entanto, nestas áreas, que também atraem os mais dotados, os cérebros preferem ocupar-se em esquemas de enriquecimento...

domingo, 13 de março de 2016

Como um crente


Fosse eu demolidor e diria: felizes os que têm prazer de ler o que escrevo, porque são justos e belos e sãos e santos e inteligentes e sensatos e quase perfeitos, mais do que eu.
Mas escrevo sem recriminações.
Não escrevo como um juiz, nem como um réu.

Escrevo como um ignorante que aspira à sabedoria, como um cego que aspira à visão, como um forte que não tolera a força, como um fraco que não se resigna a qualquer sujeição. Não escrevo "ex cathedra", mas como um crente. A esperança e o amor são a racionalidade e a poesia a expressão de algum modo ou forma de verdade.

quinta-feira, 14 de janeiro de 2016

Nada que não seja

Se eu soubesse não diria Nada que não seja Poesia Nada que não saibas Que eu não sabia Não direi nada Sei Extenso dia Até onde alcança A vista A fantasia A alma Que vê ausências Onde há As dela As outras não Direi por dizer Pelo prazer De ouvir-me E de crer Que a palavra não faz Falta Em vão.

Ateísmo e naturalismo


Vamos colocar as questões da seguinte forma: nós não aceitamos a natureza, o ser da natureza, que é um "sendo" contra o qual, sendo nós natureza, não era suposto estarmos, mas somos a natureza "suicida", um produto da natureza. 
O homem não se limita a ser e esse é o problema: o homem não é. 
A natureza que produz o homem não tem que, nem precisa de, se queixar. O homem também não, a não ser de si próprio, ou da sua natureza, mas isso é completamente estranho à natureza. 
Ou então temos mais do que uma natureza na natureza e há naturezas que são mais ou menos naturezas do que outras. 
A natureza, sem o homem, não tinha problema nenhum para resolver e, com o homem, também não, a não ser a tal natureza do homem que é "contra a natureza", ou que não aceita a natureza e que não se limita a ser natural, sendo, além disso, moral, religioso, político, mais caracterizado pelo "dever-ser", que o atormenta, do que pelo "ser", que não atormenta nada nem ninguém. 
A natureza não sabe, nem tem essa coisa do "dever-ser". 
O ateu e o naturalista também não deviam ter e deviam estar perplexos com o mundo cada vez mais feito/desfeito de dever-ser. A começar pelo ateu e pelo naturalista, que não se limitam a ser, mas têm um discurso, ideias, conceitos, ideais, ideologias, "morais". 
O porquê dos naturalistas e dos ateus ainda é mais indecifrável, apesar de todo o arsenal científico e técnico disponível, do que o já antiquíssimo porquê dos que acreditam no sobrenatural. 
E o para quê, o propósito, a finalidade da natureza, até para eles é algo central e imprescindível. Não que eles reconheçam ou apontem, ou acreditem, em alguma finalidade, porque não encontram nenhuma relação causal, necessária, "construtiva", entre os primeiros átomos e o homem. Para eles nada faz sentido, nada tem sentido, tudo é obra do acaso. 
E também aqui é a natureza a pensar e a dizer sobre si própria que não sabe quem é e que todos os seus poderes lhe vêm como se fosse do nada, que também não sabe o que é e que talvez chame nada ao sobrenatural, às forças, aos poderes, aos fenómenos que não existiam no princípio, no big-bang, e que passaram a existir e que, também hoje, surgem, do nada, para se "acrescentarem" a tudo o que existe. 
Desde o primeiro minuto do big-bang até à atualidade, tudo foi surgindo sem que existisse antes...criando...as forças, os átomos...etc., etc....E tem de ser a natureza a interrogar-se sobre si própria, através do homem, porque não sabe de si própria e nunca agiu em sentido nenhum, com nenhuma finalidade, ou vontade e a própria inteligência e consciência do homem é um puro acaso, nada mais, mas um acaso que descobre que nada é por acaso e que a natureza não se explica a si própria, nem enquanto natureza-homem investigando e refletindo...