sábado, 10 de dezembro de 2016

Fins lucrativos

Os fins lucrativos...Não é que justifiquem coisa alguma, mas são a charneira do capitalismo, justificados pelo capitalismo enquanto modo de produção que tem tido uma história cujas coerências, até "há pouco", sobrelevavam as incoerências. Refiro coerências como poderia dizer lógica do jogo, ou lógica dentro de um universo. A atenção dos agentes económicos está e "não pode" deixar de estar "presa" a tudo e quase só o que é susceptível de lucro. Existe outra coisa?-pergunta o jogador.
As humanidades (direito, ordem, segurança, filosofia, educação, antropologia, história, ciência da religião, arqueologia, teoria da arte, cinema, dança, teoria musical, design, literatura, letras, filologia, etc.) estão para as outras ciências, de algum modo, no que respeita a lucros, como o campo está para o agricultor e os oceanos para o pescador.
A democracia e a plutocracia são duas faces da realidade actual, a pobre a quem é concedido sobreviver mediante vassalagem e a rica que se louva nas virtudes da pobre.
Se porventura houvesse investimento nas ciências humanas, que de longe se parecesse com o que tem sido feito nas outras ciências/tecnologias (que também são humanas, obviamente), e nem precisava de ser aproximado do que se faz, por exemplo, no futebol, acredito que todas as causas da humanidade perdidas nos últimos séculos, incluindo guerras, teriam sido ganhas no tribunal do conhecimento. Mas a cegueira ocupa o topo da hierarquia dos poderes, não por mérito de visão, mas por inerência da cupidez...e dos fins lucrativos.

quarta-feira, 7 de dezembro de 2016

Perspetivas críticas

Não vou alargar-me em considerações, mas louvo a análise que é feita com abertura de perspetivas críticas.
Todas as estratégias e metodologias para ensinar padecem do mesmo vício, qual seja o de, eficientemente, quererem "levar" o aprendiz a saber, fazer, reproduzir, determinadas matérias que lhe são alheias.
Há em tudo isso uma violência, que alguns louvam, mas que uma boa parte, preferia não ter sofrido.
Sempre (sempre) no pressuposto do interesse do próprio, submete-se o indivíduo, não apenas a uma visão (religião, ideologia, crença), mas também a uma condição inelutável de "estar sujeito".
O haver "um preço a pagar para..." já é uma situação de privilégio. Abandonada a pedagogia da palmatória e do chicote, nem por isso se deixou de recorrer a instrumentos de persuasão, de coerção e de humilhação e de castigo.
Em geral, assiste-se, hoje, a uma culpabilização da criança e do jovem, primeiro, por viverem à custa de alguém, nomeadamente dos subsídios para a sua formação (obrigatória). 
É óbvia a dificuldade de lhes imputar responsabilidades pelo que quer que seja. Sê-lo-ia se fossem adultos, muito mais por o não serem. 
É toda uma filosofia e uma concepção sobre a natureza do homem e os processos de socialização/aprendizagem, que subjazem ao paradigma educacional atual, que vale a pena questionar e pôr em causa.

sábado, 26 de novembro de 2016

Máquina de dinheiro


O mercado, e não apenas o mercado de trabalho, enquanto oferta e procura a determinado preço, é uma das formas possíveis de um sistema de trocas e está condicionado pelos poderes no mercado.
Seria bom que o mercado fosse um factor de justiça e de desenvolvimento e nunca o contrário. Verificamos que há muitos mercados e que uns interferem nos outros, nem sempre no bom sentido. Se os mercados fossem mercados de mercadorias propriamente ditas, de bens e serviços, já seria difícil assegurar a liberdade de mercado.
Mas como os mercados se sublimaram em "mercado" do dinheiro, sendo este o grande e indomável estruturador dos nossos tempos, o ponto de dependência, crescente, dos mercados relativamente às estruturas financeiras, subverte o sentido corrente da palavra mercado, esvaziando-a, porque um mercado de dinheiro, nem em sentido metafórico, é um mercado.
Então, vou pensar na hipótese, que me parece promissora, de o dinheiro acabar e de, nem por isso, diminuir a quantidade de bens e serviços.

sábado, 19 de novembro de 2016

Para ser científico


Sou contra  todas as tentativas de "imposição" de crenças, religiosas, científicas, filosóficas, ideológicas... Mas o que é mais corrente é isso: todos, desde os ateus aos cépticos, não param de tentar "expandir" a sua fé. 
Na ciência é a mesma diligência. E por aí fora. 
Mas eu sou contra isso, porque sou preguiçoso e não me preocupo com a sorte das pessoas após a vida. 

Preocupo-me com a sorte dos vivos, tanto daqueles que são vivos de mais como daqueles que são vivos o suficiente para viverem à custa dos menos vivos, ou dos mortos.
A minha preguiça tem a ver com isso, com a preocupação que tanta gente que me não conhece tem por mim. Eles são escritores, poetas, cientistas, papas, políticos, militares, médicos, professores, juízes, polícias, cantores, construtores de automóveis e de aviões, farmacológicas, etc., etc.. 

Habituado, como estou, desde que nasci, a ver tanta gente envolvida em "guerras" e em "pazes" por minha causa, deixei de me preocupar. Afinal, não preciso de me preocupar. 
Mas preocupo-me porque quero paz e liberdade, não quero que me forcem a ser feliz, não quero que sejam infelizes só porque eu não me vou salvar.
Enfim, a minha preguiça não vai tão longe que eu não queira dialogar. 

Então, sempre que me aparece um artista, um cientista, um "iluminado", um político...que me quer salvar, eu agradeço e peço apenas uma coisa em troca de ouvir: que me deixem falar tanto quanto os ouça. 
E marco no relógio. Para ser científico. 
Assim, eu tenho alguma certeza de estar de igual para igual.


sábado, 12 de novembro de 2016

O que é transparente não se vê?

Se as notícias que temos correspondem aos factos, temos que lamentar as condutas dos visados (a propósito da Administração da CGD).
Se as notícias não correspondem aos factos, temos que lamentar, tanto ou mais ainda, que não sejamos informados, mas desinformados, com a conivência dos responsáveis políticos que deixam andar tudo em águas turvas, por conveniência inadmissível.
Seja como for, a ideia de que a gestão de uma empresa privada e de uma instituição/empresa pública se pauta pelos mesmos princípios e lógica de interesses, apesar de ser bastante comum (como se o Estado concorresse com os privados para arrecadar os ganhos que estes pudessem ter) é estapafúrdia e demagógica.
Eu apostava que indivíduos que fazem muitos lucros nas empresas privadas (se calhar o Trump é um desses) não podem ser bons gestores, nem governantes, em instituições públicas.
Não discuto questões de eficiência e de produtividade física, refiro-me, por exemplo, ao facto de que o Estado, quando tira é para dar/pagar e, quando paga, toda a gente tem o direito de saber o quê e a quem e porquê.
A gestão do aparelho do Estado, se tem algum paralelo com a gestão privada de uma empresa, ou grupo de empresas, é por estar nos "antípodas" destas. Acredito que, mais cedo ou mais tarde vai ser preciso assumir a necessidade de formação de gestores vocacionados para a gestão pública e, no que respeita à política, a mera vontade, ainda que sufragada por maiorias, não convém aos que querem e esperam e lutam pelo melhor, ou seja, pelo que assenta em fundamentos de governabilidade consistentes.
No mesmo sentido, se queremos que a política deixe de ser o domínio dos oportunistas e dos oportunismos, se queremos afastar da política a peçonha da demagogia e dos pedintes de votos, que vergonhosamente se sujeitam até serem eleitos, chantageando e sendo chantageados, vai ser preciso definir um perfil ao qual deverá corresponder quem quiser candidatar-se e submeter-se a eleições. Nada é mais desmoralizador do que o espectáculo e as consequências que nos têm proporcionado as democracias e os seus sistemas eleitorais.
Mas, voltando à gestão, existe uma cortina "blackout" no domínio financeiro, que separa o comum dos mortais (robertos) dos senhores desse(s) mercado(s) manipuladores dos cordelinhos. Eles riem dizendo que toda a gente sabe que assim é, que faz parte do "espectáculo", mas quando o espectáculo não tem graça, o que se passa atrás da cortina é o que mais interessa e vemos que é um jogo que nos diz respeito.

sábado, 29 de outubro de 2016

Paradigmas falidos


Dou comigo a pensar que a realidade já ultrapassou, há muito, os modelos sociais, económicos, políticos, ideológicos, religiosos, científicos...que continuamos a defender, mas que, como paradigmas falidos, nada mais têm para nos proporcionar do que a vista do abismo.
Os nossos sistemas de inteligência (num sentido muito amplo) estão acoplados aos nossos sistemas de interesses, de tal modo que, dificilmente, a nossa visão das coisas não é "toldada" pelo nosso interesse (determinado pelas variáveis envolventes).
Por exemplo, recuando há cerca de 200 anos, ninguém "profetizaria", na euforia das revoluções, que o capitalismo encontraria os seus limites mais decisivos, não no seu princípio de incentivo à iniciativa e ao empreendedorismo, mas na necessidade de travar os efeitos demolidores das atividades humanas focadas nos lucros, uma vez que estes são cegos, surdos, mudos e têm como "racionalidade" o poder (razão necessária e suficiente).
Ora, o que há 200 anos parecia ser uma estratégia promissora, num planeta ainda intacto, imenso e "inesgotável", também ditava uma visão das políticas...educativas, em consonância.
A palavra de ordem era "explorar, desbravar, esventrar, transformar, romper barreiras, construir, industrializar, dinamizar, mecanizar, consumir...".
Nem por um momento se pensava que tudo isso era o princípio de um momento efémero, de um ápice, e o mais autodestrutivo da história.
Não havia religião, ideologia ou ciência que se apercebessem de que o mundo iniciara uma aventura perigosa; pelo contrário, até das pobrezas, das explorações humanas e das guerras, se extraía um otimismo reinante, sob os auspícios e a suprema legitimação dos ganhos materiais (que se justificavam a si mesmos).
Não é de estranhar que, nesse "clima", não houvesse contemplações para com miseráveis e até os poetas e os bardos infelizes, que expressavam angústias de músicos perturbados por ruídos cada vez mais insuportáveis, não passavam de uns acidentes...
Aliás, para os sentimentos "negativos" e angústias "inexplicáveis" havia terapêutica médica e, como prevenção, a educação.
Bem, abreviando, não é apenas o sistema de educação que tem de ser repensado. O mundo já não é o que era e os paradigmas em que se baseou a atividade humana que nos conduziu até aqui, já mostraram os perigos em que nos colocaram. A própria ideia de empreendedorismo tem um significado diferente do que teria há 100 anos.
Os Estados não vão permitir mais que os grandes interesses coletivos sobre o ambiente, os solos aráveis, a vida dos oceanos, os recursos naturais, em geral, a educação, a saúde e a justiça, fiquem nas mãos de indivíduos que têm como único critério de ação a obtenção do máximo proveito pecuniário.
No tocante à ciência, não vejo mal nenhum em que os Estados a deixem por conta dos interesses privados, desde que não se coloquem em situação de dependência e de subserviência relativamente a esses interesses.


terça-feira, 25 de outubro de 2016

O conceito de conhecimento poderoso


Quantos de nós começamos por aprender sem buscar nada? E acabamos a buscar conhecer sem ser por nada? Embora, desde cedo, nos tenhamos apercebido, de que tantos outros buscavam e buscam sistematicamente o conhecimento poderoso? De preferência tudo aquilo que não se ensina nas escolas, porque "o segredo é a alma do negócio"?.
De qualquer modo, o conhecimento poderoso não seduz e não interessa a todos. Pode até ser uma boa estratégia, na perspetiva das políticas educativas, mas aí o que está em causa é o interesse coletivo e não o interesse individual. 

Para instrumentalizar o conhecimento também é preciso conhecimento sobre instrumentalizar, sobre custos e sobre as finalidades. Isso do conhecimento poderoso, até pode ser fácil de perceber o que é, mas porquê e para quê e à custa de quê, pode não ser tão simples. 
Sem considerar outro lado da questão: basta querer para acontecer conhecimento poderoso?
O próprio conceito de conhecimento poderoso é muito vago e relativo, porque o que é poderoso, rapidamente, deixa de o ser, basta generalizar-se...