segunda-feira, 28 de maio de 2012

O saber sempre me fascinou II


Há algo de potencial demolidor na filosofia que faz sempre falta para nos libertar. É como se ela fosse o único direito que ninguém pudesse tirar. É um sentimento que lembra o da literatura, a liberdade que só conhece os limites da imaginação e do engenho verbal. 
Mas a filosofia é tão rebelde que não pactua com imaginações e engenhos, de tudo "suspeitando" e se distanciando, ao ponto de suspeitar de si própria. E era este tipo de "autofagia" ou inquietação que eu não desejava para a minha vida. A liberdade não me parecia, em caso algum, independente. O triunfo da filosofia, na minha perspectiva, não estaria na filosofia, mas em mim.



1 comentário:

looking4good disse...

Na verdade, o saber tem essa característica de fascinar! Mas estou certo que, ao contrário de "responsáveis" do nosso país não tem nenhuma licenciatura tipo «honoris causa» com 32 equivalências em 36 cadeiras :)