segunda-feira, 26 de abril de 2010

O Velha - I

                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                           
O Velha apresentava-se sempre como Alberto Caeiro e dizia ser pastor de transístores. 

Para muitas pessoas isso correspondia ao anúncio de uma seita esotérica, religiosa ou política. Mas não era. 
O Velha não era pastor de uma seita, era mesmo pastor de rebanhos de ovelhas e de cabras. 
Com o tempo, foi-se tornando também pastor de transístores e, pouco a pouco, declarava-se a si próprio como pastor de transístores que deixara de ser pastor de gado. 
Na infância, foi pastor de gado. Nunca pertenceu a uma tribo. Aprendeu a viver sozinho e a lidar sozinho com os seus medos. Mais tarde, frequentou a escola para adultos e descobriu que era Alberto Caeiro e que tinha mais que um heterónimo, sendo um deles Fernando Pessoa. 
Mas a maior descoberta da sua vida foi o transístor. 
Desde o dia em que o descobriu que passou a fazer-se acompanhar dele para os montes com os rebanhos. Assim que pôde comprou mais alguns e levava-os todos para os sintonizar em estações diferentes. 
Enquanto as ovelhas pasciam, colocava os transístores em posições estratégicas no solo e ouvia de tudo em simultâneo. 
Se mais estações de rádio houvesse mais transístores teria comprado.
                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                                     

1 comentário:

looking4good disse...

Interessante o Velha, Alberto Caeiro, pastor de transistores. Nos tempos que correm esses transistores todos sintonizados em diferentes estações dariam grande satisfação a ouvir os golos do Benfica... Afinal, também no futebol pode haver poesia!